Paraná Portal: PF prende dois ex-governadores do Distrito Federal

Ajustar Comente Impressão

O ex-vice-governador Tadeu Filippelli também foi beneficiado.

A defesa de Arruda afirma a inocência do ex-governador, por não ter sido concluída a contratação e nem terem sido gastos recursos públicos na reforma do Estado durante o seu governo.

A operação policial é baseada na delação premiada (cedência de informações comprometedoras sobre terceiros em troca de uma redução de pena) de executivos da construtora Andrade Gutierrez sobre um esquema de corrupção nas obras do estádio de futebol Mané Garrincha, em Brasília, para o Mundial de Futebol de 2014.

O que a Operação Panatenaico investiga?

Também serão levados em prisão temporária, o ex-chefe de gabinete de Agnelo Queiroz, Francisco Cláudio Monteiro, o ex-presidente da Novacap Nilson Martorelli, o presidente do grupo Via Engenharia Fernando Márcio Queiroz e o suposto operador de Agnelo, Jorge Luiz Salomão.

O MPF suspeita que foi constituído um cartel entre várias empreiteiras para fraudar a licitação da reforma e assegurar, de forma antecipada, que as obras fossem realizadas por consórcio formado pela Andrade Guitierrez e pela Via Engenharia. Como contrapartida, os vencedores teriam pago propina a agentes políticos e públicos, que estão entre os alvos da operação.

O armação na licitação era tão profunda que, segundo dados já reunidos pelos investigadores, representantes da Andrade Gutierrez participaram da elaboração do edital do certame, do qual eles próprios iriam participar.

Há ligação entre a Panatenaico e a Lava Jato?

É possível saber quanto dinheiro foi desviado? Ela estava orçada em cerca de R$ 600 milhões inicialmente, mas acabou custando, ao fim, em 2014, R$ 1,575 bilhão. Montante que atualmente alcança R$ 900 milhões se corrigido pela taxa Selic.

E de onde veio o dinheiro? Segundo o juiz federal, há indícios, incluindo o balanço patrimonial da empresa pública Terracap, de que só a reconstrução do Mané Garrincha causou um prejuízo de R$ 1,3 bilhão aos cofres públicos. A responsabilidade pela realização do processo de seleção das empresas foi conduzido por outra empresa pública do governo, a Novacap.

Agnelo, Arruda e Filippelli são alvos de mandados de prisão temporária, que tem duração de cinco dias. Por volta das 10h30, ainda não havia chegado ao local o ex-governador Agnelo Queiroz (PT), também preso na operação. Agnelo foi o governador responsável por executar a obra bilionária.

Os pagamentos foram viabilizados por meio de doações de campanha - formais e por meio de caixa 2, além da simulação de contratos de prestação de serviços.

Tadeu Filippelli é o terceiro assessor de Temer a ser derrubado. Antes, integrava, desde 2015, a assessoria parlamentar da vice-presidência da República. O juiz Vallisney de Souza Oliveira da 10ª Vara Federal de Brasília autorizou o bloqueio de R$ 10 milhões de Arruda, R$ 10 milhões de Queiroz e R$ 6 milhões de Filippelli.

Comentários