Comissão de Ética absolve subchefe da Casa Civil no caso Marcela

Ajustar Comente Impressão

Ele será investigado por ter, supostamente, usado para administrar as redes sociais pessoais do ministro uma empresa de comunicação contratada pelo ministério. A utilização de recursos deve se restringir a administração e ao interesse público.

A investigação é baseada na delação premiada de executivos da Odebrecht, segundo os quais ele teria solicitado R$ 3 milhões em propina a fim de proteger a empreiteira em contratos da estatal.

O G1 procurou a assessoria do ministro e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

"Houve um questionamento sobre o ajustamento ético dessa atuação para alguém que ocupa um cargo no governo", disse, na ocasião, o presidente do colegiado, Mauro Menezes, acrescentando que a comissão daria dez dias para que Rocha se manifestasse sobre o caso.

O ex-presidente da Petrobras e do BB terá 10 dias úteis para enviar uma manifestação à comissão após que for intimado.

Não conseguimos contato com a empresa.

A Comissão de Ética Pública também decidiu abrir nesta segunda processo para apurar o comportamento ético do ex presidente da Petrobas Aldemir Bendine.

O ministro ainda não foi comunicado oficialmente, embora a Comissão de Ética tenha informado seu gabinete sobre a abertura do processo.

Os irmãos foram operadores dos pagamentos a Bendine: foram eles que receberam os R$ 3 milhões em espécie, num apartamento em São Paulo.

Caso entenda que houve infração ética por conta de um agente, a comissão pode aplicar desde uma advertência até recomendar a exoneração do agente. A recomendação é feita ao chefe do Executivo Federal, o presidente da República.

Comentários