Anthony Garotinho voltou a ser preso pela Operação Chequinho

Ajustar Comente Impressão

Garotinho já havia sido preso preventivamente em novembro do ano passado na operação Chequinho, onde é investigado por fraudes em eleições municipais em 2016.

A decisão estabelece ainda o uso de tornozeleira eletrônica, proíbe a utilização de telefones celulares e restringe o contato pessoal a advogados e familiares próximos, como mãe, netos, filhos e a mulher, a ex-governadora do Rio Rosinha Garotinho (PR).

Segundo o magistrado, a detenção é necessária porque o político desrespeitou as medidas cautelares impostas a ele durante o processo, queimou documentos públicos e tentou intimidar testemunhas.

Contra ele, foi cumprido um mandado de prisão domiciliar, expedido pela Justiça de Campos. Isso ocorreu, segundo Manhães Junior, pelo cadastro irregular de beneficiários do programa Cheque Cidadão em troca de votos em Rosinha.

Qualquer visita médica só poderá acontecer se for comunicada previamente ao juiz do caso, com exceção das emergências. De lá, foi levado à força, por decisão judicial, para uma unidade de saúde dentro do complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu. "Agora, tem que se cuidar", emendou Cristiano no ar, não sem alguma razão. De acordo com o jornal O Globo, a ordem de prisão foi do juiz Raph Manhães, que no documento diz que Garotinho praticou o crime de corrupção eleitoral pelo menos 18 mil vezes. "Trata-se de uma norma que tem por objetivo respeitar o trabalho de investigação em favor da mais ampla apuração dos fatos".

A defesa de Garotinho negou todas as acusações, que chamou de "suspeitas infundadas".

O ex-governador é suspeito de participar de um esquema envolvendo compra de votos.

O advogado afirma, por fim, que a prisão domiciliar, além de não ter base legal, causa danos à sua família já que o impede de exercer sua profissão de radialista e sustentar sua família.

À época do pedido de prisão do MPE, o advogado do ex-governador, Fernando Fernandes afirmou, em nota, que o promotor estava "desafiando o Tribunal Superior Eleitoral".

Comentários