Coreia do Norte ameaça testar nova bomba de hidrogênio no Oceano Pacífico

Ajustar Comente Impressão

Há meses, os Estados Unidos têm pressionado a China a aplicar as sanções econômicas determinadas pela ONU contra a Coreia do Norte devido aos testes nucleares e ao programa de mísseis de Pyongyang.

"Os bancos estrangeiros enfrentarão uma ameaça clara: fazer negócios com os EUA ou facilitar o comércio com o regime sem leis da Coreia do Norte", acrescentou Trump.

As declarações de Ri vieram horas depois de Kim ter dito na mídia estatal de Pyongyang, no início da sexta-feira, que ele estava considerando o "nível mais elevado de contramedidas de linha dura" após o discurso de Trump.

A Coreia do Norte diz que a jovem está morta, mas nunca forneceu provas.

Em discurso na Assembleia-Geral da ONU na última terça-feira, Trump alertou que poderá destruir totalmente a Coreia do Norte se o regime de Kim Jong-un não parar de fazer ameaças. "A nossa obrigação sempre foi a solução diplomática", disse Michel Temer. "É para isso que a ONU existe", afirmou.

Além disso, os 28 estados-membros da União Europeia (UE) deram sua aprovação à adoção de sanções extras contra Pyongyang em resposta a seus testes nucleares, segundo várias fontes diplomáticas.

A notícia foi dada pela agência sul-coreana Yonhap, que divulgou um comunicado do PBOC, o qual fora enviado na segunda-feira para as instituições financeiras do país. A potência estimada da explosão foi de 250 quilotons, ou seja, 16 vezes a força da bomba atômica que destruiu a cidade japonesa de Hiroshima em 1945.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O Instituto Coreano de Análises de Defesa também realizou simulações acerca de um ataque nuclear contra Seul, mas os resultados ainda não foram divulgados. Desde os anos noventa, a Coreia do Norte violou já dois acordos da Agência Internacional de Energia Atómica, o Tratado de Não-Proliferação, o acordo de desnuclearização, a declaração conjunta de 2005, e os acordos de 2007 e 2012. "A bomba nuclear termonuclear multifuncional tem grande poder destrutivo", reza a nota.

Comentários