Ivanka Trump usou email pessoal para falar com empregados governamentais

Ajustar Comente Impressão

O Politico disse que os emails incluíram correspondências sobre cobertura midiática, planejamento de eventos e outros assuntos.

Recorde-se que a utilização de um servidor privado de email por Hillary Clinton foi uma das decisões mais criticadas por Donald Trump durante a campanha eleitoral para as eleições norte-americanas de 2016.

Kushner teria enviado ou recebido mais de 100 e-emails sobre questões do Governo.

Após investigação, o FBI recomendou que não fossem apresentadas acusações contra Hillary, mas destacou que a democrata havia sido "extremamente descuidada" para administrar informação sensível.

O advogado de Kushner, Abbe Lowell, afirmou que o marido de Ivana Trump, filho do magnata, cumpre as normas de documentação do governo.

Trump muitas vezes pediu a prisão de Hillary em comícios durante a campanha, e em outubro prometeu que ela "iria para a cadeia" devido ao fato se ele se tornasse presidente.

O ex-chefe de gabinete, Reince Priebus, o ex-estrategista-chefe Steve Bannon e o genro e conselheiro Jared Kushner fazem parte da lista.

"Menos do que uma centena de e-mails de janeiro até o fim de agosto foi recebida ou enviada pelo sr".

No momento do envio dos emails, Ivanka não tinha uma posição oficial na Casa Branca: só se tornaria 'empregada' do pai em março, mas, recorda a Newsweek, a filha do Presidente já se sentava com ele em reuniões, tendo, inclusive, estado ao lado de Trump durante um encontro com o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau. O uso de contas de email privadas é problemático porque coloca potenciais registos oficiais fora do alcance de jornalistas, legisladores e outros indivíduos que possam querer aceder a informações relacionadas com a forma como um governo conduz os seus negócios; é esperado que cada elemento do governo federal utilize a sua conta oficial para debater qualquer assunto público ou político por forma a garantir a transparência governamental. As mensagens, de acordo com o advogado, eram "geralmente artigos, notícias e comentários políticos que eram enviados ao endereço pessoal [de Jared Kushner], em vez do e-mail da Casa Branca".

Comentários