Brasileira é morta por engano pela polícia em Portugal

Ajustar Comente Impressão

A família de Ivanice Carvalho da Costa, a mulher de nacionalidade brasileira morta acidentalmente pela PSP na quarta-feira, diz não ter dinheiro para pagar o transporte do corpo para o Brasil e exige que o Governo português assegure as despesas.

Acredita-se que a corporação efetuou pelo menos 20 disparos contra a mulher. Segundo a polícia, ela chegou a ser socorrida, mas morreu no local.

De acordo com informações de jornais locais, o esposo da vítima, que também é brasileiro, se assustou ao se deparar com várias viaturas na estrada.

Um carro "suspeito e com as características correspondentes ao usado no furto" foi visto numa importante via de Lisboa e, ainda de acordo com a polícia, o condutor do veículo teria iniciado fuga tão logo percebeu a preseça policial, "circulando em diversas vias a alta velocidade e na contramão e colocando em perigo todas as pessoas que ali se encontravam".

O carro teria ainda ultrapassado uma segunda barreira policial, e foi parado pouco tempo depois.

Ali, de fato, tratava-se do veículo utilizado no roubo ao caixa eletrônico.

O namorado da brasileira, que não teve o seu nome informado, foi detido por dirigir sem habilitação, desobediência e condução perigosa. Em nota enviada ao G1, disse ter tomado conhecimento do incidente nesta quinta-feira, e que a família da vítima já entrou em contato com o "Consulado-Geral do Brasil em Lisboa, que prestará o apoio cabível".

A família da vítima, que vive no noroeste do Paraná, contou ao portal como Ivanice Carvalho da Costa estava a caminho do trabalho quando foi atingida.

Em entrevista ao PRTV, da RPC, afiliada da TV Globo, a mãe de Ivanice, Luzia disse que a família quer trazer o corpo da sua filha para o Brasil.

A Embaixada revela ainda que "acompanha atentamente o caso e aguarda novas informações a respeito do inquérito com vistas a determinar o curso de ação a ser tomado". A Embaixada lamenta profundamente o ocorrido.

Emocionada, a mãe pede que o governo português providencie o envio do corpo da filha para a cidade em que nasceu.

Comentários