Simon Biles revela que também foi vítima — MeToo

Ajustar Comente Impressão

"Segundo ela, o autor do assédio foi o médico da equipe dos Estados Unidos, Larry Nassar".

A ginasta Simone Biles, que conquistou quatro medalhas de ouro e uma de bronze nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, denunciou nesta segunda-feira que sofreu abusos sexuais por parte de Larry Nassar, ex-médico da delegação dos Estados Unidos e que foi sentenciado a 60 anos de prisão por ter imagens de pornografia infantil em seu computador.

Ele foi condenado em dezembro de 2017 a 60 anos de prisão federal por possuir pornografia infantil e enfrenta acusações de mais 40 a 125 anos de prisão depois de se declarar culpado de abusar de sete meninas.

"A maior parte de vocês conhecem-me como uma rapariga feliz, sorridente e cheia de vitalidade", começa o texto da atleta. Mas ultimamente venho me sentindo mal e quanto mais eu tento calar a voz na minha cabeça, mais alto ela grita.

"Não é normal receber qualquer tipo de tratamento de um médico e se referir a ele horrivelmente como tratamento 'especial'. Não, não vou carregar a culpa de Larry Nassar, a USAG e outros", afirmou. "Esse comportamento é completamente inaceitável, nojento e abusivo, especialmente vindo de alguém em quem falaram que eu poderia confiar", completou, compartilhando a responsabilidade com os dirigentes da equipe americana de ginástica. "Terei que retornar continuamente ao mesmo centro de treino onde sofri abusos", acrescentou. Eu sou muito mais do que isso.

"Durante muito tempo perguntei a mim mesma: 'Fui muito ingênua?' 'Foi minha culpa?' Agora sei a resposta para essas perguntas. Não". Não permitirei que um homem e as pessoas que o permitiram fazer o que ele fez, roubar meu amor e alegria. Nós precisamos garantir que isso não ocorra de novo.

Comentários