Recessão finda, mas setor de serviços não se recupera

Ajustar Comente Impressão

Os serviços prestados às famílias recuaram 0,6% em janeiro ante dezembro de 2017; os serviços de informação e comunicação caíram 0,2%; serviços profissionais e administrativos encolheram 1,4%; e transportes e correio tiveram uma perda de 3,0%. O comércio varejista começou o ano com crescimento acima do esperado, sinalizando que o consumo segue em recuperação neste primeiro trimestre. Em relação a janeiro do ano passado (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços caiu 1,3%.

Na série sem ajuste sazonal, as quedas mais importantes entre os setores vieram de Serviços de informação e comunicação (-5,0%) e, novamente, dos serviços profissionais, administrativos e complementares (-3,3%). "Ainda tem um saldo positivo", disse Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa. A taxa acumulada em 12 meses, porém, manteve a trajetória ascendente iniciada em abril de 2017, quando recuava 5,1%.

Apenas os serviços de TI apresentaram avanços. Também nessa base de comparação, o dado surpreendeu negativamente.

O mau desempenho confirma que o setor ainda não aderiu à recuperação já em curso em outras atividades, como a indústria e o varejo, segundo especialistas.

No cenário regional, na comparação com dezembro de 2017, as quedas que mais contribuíram para a redução no volume de serviços foram em São Paulo (-1,4%), Rio de Janeiro (2,7), Santa Catarina (7,6%), Rio Grande do Sul (2,4%) e Distrito Federal (2,1%). Em contrapartida, no período houve crescimento nos segmentos de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,0%) e em outros serviços (2,5%). Em contrapartida, as principais influências positivas vieram do Ceará (19,4%) e da Bahia (4,3%). Quando comparada a janeiro de 2017, a receita dos serviços prestados cresceu 1,2%.

A atividade classificada pelo IBGE como "outros serviços" avançou 3,8% frente a dezembro, puxada por atividades como corretores e agentes de seguro, e atividades auxiliares de serviços financeiras como operadoras de cartão de débito, liquidação de custódia, caixas eletrônico.

Comentários