Independentista Quim Torra toma posse como presidente da Catalunha

Ajustar Comente Impressão

Quim Torra dispõe agora de cinco dias para constituir um novo Governo. Uma maioria simples era tudo que ele necessitava para ser eleito como líder, depois de ficar aquém de uma maioria absoluta em uma votação realizada no sábado.

O Parlamento da Catalunha escolheu nesta segunda-feira o separatista linha-dura Quim Torra como líder, abrindo caminho para encerrar sete meses de controle direto de Madri, mas também para mais incerteza política em uma região que insiste em buscar a separação da Espanha. Deputado do Junts per Catalunya (JxCat), partido de Carles Puigdemont, Torra presidiu ao Òmnium Cultural, uma associação que se dedica à promoção da língua e cultura catalãs.O novo presidente da Generalitat obteve 66 votos a favor e 65 votos contra na sessão desta segunda-feira. Quando esse Governo tomar posse, espera-se um levantamento da suspensão da autonomia da região, que perdura há vários meses. Para além disso, o nome do novo Presidente terá de ser confirmado pelo rei Felipe IV e pelo presidente do Governo de Madrid.

Deve garantir ainda ao primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, o apoio que ele precisa de partidos regionais para implantar planos orçamentários há muito adiados do governo central.

Quim Torra, saliente-se, é figura próxima de Carles Puigdemont, ex-presidente regional que tem vivido no exílio desde que foi acusado pelas autoridades espanholas por secessão. Quim Torra foi o quarto candidato apresentado à investidura, isto depois de Puigdemont, Jordi Sànchez e Jordi Turrul terem fracassado, o primeiro por estar numa espécie de exílio e os dois "jordis" por se encontrarem detidos em Espanha. "Agradeço o esforço e o sacrifício de assumir o cargo em circunstância que são extremas para a Catalunha", afirmou Puigdemont.

Após a intervenção, Madri convocou novas eleições regionais, que foram realizadas em dezembro e terminaram novamente com uma maioria de deputados pró-independência no Parlamento catalão.

A líder da oposição, Inés Arrimadas do Cidadãos, o partido mais votado em 21-D, não está optimista e fez questão de deixar isso mesmo claro a Torra: "Não está consciente da responsabilidade que tem em mãos".

Embora tenha apenas 4 deputados no parlamento regional da Catalunha, a CUP é essencial para a aritmética independentista naquela câmara.

Comentários