Trump quer que chineses ZTE possam retomar atividade

Ajustar Comente Impressão

"O 'Washington Post' e a 'CNN' têm tipicamente escrito histórias falsas sobre as nossas negociações comerciais com a China. O Departamento de Comércio já foi instruído para fazer isso acontecer".

Ele ressaltou que ninguém "cedeu", como a "mídia ia adorar que as pessoas acreditasse" e disse que os encontros com a China ainda não começaram.

SÃO PAULO - (Atualizada às 18h53) As bolsas de Nova York desaceleraram no período da tarde, mas conseguiram ainda sustentar leve alta no fechamento desta segunda-feira (14), com os sinais de alívio nas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, em dia marcado por poucos catalisadores. "A China é quem tem que dar", declarou.

Como é de costume em vários dos seus posicionamentos e comunicados, Trump anunciou pelo Twitter no domingo, 13, que está tentando junto ao governo chinês uma retomada das atividades da ZTE. O presidente fala de "muitos empregos perdidos na China" mas o buraco é muito mais embaixo, não só é uma forma de manter negócios com uma das maiores empresas de tecnologia da China e evitar que as parceiras americanas passem por maus bocados, como uma forma de por panos quentes na "guerra comercial" que ambos países vêm travando nos últimos tempos.

Em abril, a companhia chinesa foi proibida de adquirir componentes de qualquer empresa dos EUA, isso porque a empresa teria fornecido produtos e serviços aos países inimigos do governo americano, o Irã e a Coreia do Norte.

Com sede em Shenzhen, no sul da China, o grupo ZTE é responsável pelo desenvolvimento da infraestrutura 5G no país asiático e um dos maiores fabricantes de 'smartphones' do mundo. Segundo os Estados Unidos, essas ações não foram realizadas, por isso as operações da ZTE nos Estados Unidos ficaram restritas.

As empresas de saúde também foram destaque do dia, em alta de 0,66%, depois de o presidente Donald Trump apenas discursar na sexta-feira (11) em prol de medidas para reduzir os altos preços dos medicamentos - sem, no entanto, aplicar nenhuma.

Comentários