Sporting: Jogadores acreditam que "terrorismo" em Alcochete foi "encomenda" de BC

Ajustar Comente Impressão

O líder dos verdes e brancos utiliza este argumento para demonstrar que as "regras e princípios" que o norteiam tornam impossível que seja "responsável por um acto hediondo como aquele que foi cometido na Academia do Sporting na passada terça-feira", referindo-se às agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting.

Também na quarta-feira, o presidente da Assembleia da República condenou a "situação gravíssima" de violência no treino de futebol do Sporting e apelou a "medidas sérias" da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e do Governo.

Com dias difíceis à frente do Sporting, mas com pouca vontade de se demitir, o presidente leonino parece ter no pai, Rui de Carvalho, um dos principais apoios, como o próprio vai subtilmente dando a entender nas redes sociais. Em primeiro, que o chefe de Estado "lhe está a imputar responsabilidades, (.) deixando instalar a dúvida". Marcelo Rebelo de Sousa confessou sentir-se "vexado" pelo ataque em Alcochete e deixou no ar a possibilidade de não estar presente na final da Taça de Portugal, como é tradição.

As ações estender-se-ão a figuras públicas como Daniel Sampaio, José Maria Ricciardi ou Rogério Alves, os quais afirmaram que Bruno de Carvalho "não tinha condições de continuar a exercer o cargo", acrescentou.

"Um Homem jamais renega as suas crenças, os seus amores, a sua dignidade", escreveu o pai de Bruno de Carvalho no Facebook, a pretexto de ter mudado a foto de perfil, na qual surge com uma camisola alusiva ao clube do coração.

Sporting: Detidos foram identificados e começam a ser ouvidos na quinta-feira

Também o Presidente da República não escapou à crítica do líder do Sporting. "Neste momento, sinto-me com a mesma capacidade, força, prazer e honra em servir o clube que amo, não vendo qualquer motivo enquanto sportinguista para me afastar de um trabalho e de um rumo que está a ser seguido com sucesso nestes cinco anos".

Na terça-feira, 15 de maio, cerca de 50 pessoas, de cara tapada, alegadamente adeptos 'leoninos', invadiram a Academia de Alcochete e agrediram vários jogadores, o treinador Jorge Jesus e outros membros da equipa técnica.

Entretanto, o Sporting anunciou em comunicado que o Conselho Diretivo e a Comissão Executiva da SAD se reuniram esta quarta-feira para analisar os acontecimentos de ontem e, entre outras decisões, reiterar a condenação sobre o "crime horrendo", solidarizar-se com todas as vítimas e repudiar as insinuações sobre o envolvimento de Bruno de Carvalho no ato de terrorismo.

Paralelamente, o Ministério Público confirmou as acusações dos 23 detidos nestes incidentes, apontando, entre outros delitos, a prática de crime de terrorismo.

Comentários